A tendência da tecnologia da virtualização surge agora no mercado de automação industrial

Os benefícios da virtualização, combinados com um servidor tolerante a falhas, podem levar a custos mais baixos, simplicidade operacional e 100% de tempo de atividade.

 

Empresa de produção: Aqui vai a virtualização

Você já ouviu falar dos últimos conceitos de: VMware, virtualização, Hyper V, computação em nuvem pública e privada. Virtualização é um novo tópico, que as empresas implantaram como tecnologia “não tão nova”. De acordo com um estudo feito na Gartner, foi estimado que 65% das aplicações implantadas em 2013 rodarão em plataforma virtualizada e a tendência continuará.

Apesar de todas as recentes campanhas publicitárias, a tecnologia da virtualização existe há muito tempo. Seu surgimento ocorreu na década de 60 para os mainframes da IBM, trazendo grande vantagem e recursos para os equipamentos.

A virtualização foi primeiramente apresentada para as indústrias de servidores básicos (x86) no início dos anos 2000, quando essa tecnologia foi usada como software de desenvolvimento e teste. Porém, com os data centers expandindo em um ritmo alarmante, os gerentes de TI tentam gerenciar todos os recursos; o número de servidores, a energia e até a climatização da sala se tornam um problema. Agora, a virtualização parece estar no lugar certo e no tempo certo.

 

Mas o que é virtualização?

É a habilidade de execução de uma variedade de sistemas operacionais e software em um único servidor, conhecido como hypervisor. Você pode transformar um servidor físico em muitos servidores virtuais. Cada uma dessas máquinas virtuais (VM, do inglês, Virtual Machine) roda seu próprio sistema operacional, aplicativos e suporte a clientes, como se fosse um servidor independente. Então, na
verdade, o que você tem é uma máquina que roda diversos sistemas operacionais e aplicativos diferentes.

 

Há vários benefícios na virtualização. Quais são eles?

O primeiro benefício, e o único no qual muitas empresas estão conseguindo enxergar um bom retorno de investimento (ROI), é a consolidação dos servidores. Substituir muitos servidores físicos individuais por um pequeno número de servidores físicos com muitos servidores virtuais tem contribuído para o crescimento da virtualização. A economia no custo total para a empresa é muito grande.

Mas existem outros benefícios para as empresas na implantação da virtualização. Entre eles:

  • Mitigação da proliferação de servidores. Esta é a consolidação mencionada acima.
  • Migração dos sistemas operacionais e aplicativos para máquinas virtuais, executados em um novo hardware. Mantêm-se as mesmas características das aplicações originais, em muitos casos, com aumento de desempenho e com economia na manutenção, eliminando os velhos hardwares.
  • Habilita novas instalações em minutos. O que poderia levar semanas com um novo servidor físico, pode agora levar minutos com as máquinas virtuais.
  • Com a virtualização você pode armazenar arquivos e sistemas para restauração em qualquer servidor, com redução de complexidade e custo. Uma ótima solução de recuperação de problemas.

 

A adoção da virtualização no ambiente de produção

A virtualização está sendo adotada agora pela área de produção da indústria, mas até recentemente havia várias razões para as companhias não utilizarem essa solução.

Os engenheiros de automação formam um grupo conservador que, com razão, prefere esperar a consolidação das tecnologias antes de adotá-las. A dificuldade do suporte à aplicação virtualizada foi outro impedimento para uso da tecnologia.

Atualmente, muitas empresas de fabricação de software, incluindo a GE IP, dão suporte para soluções na plataforma virtualizada.

O último problema era que, ao inserir vários aplicativos em um único servidor, gerava-se um ponto de falha na arquitetura. Hoje, esse aspecto também tem solução.

 

Garantindo disponibilidade do hardware

A alta disponibilidade de hardware é muito importante no contexto da virtualização. Uma solução como a plataforma ftServer da Stratus, projetada para oferecer 100% de tempo de atividade, pode garantir o sucesso desse tipo de solução.

O ftServer é um hardware com componentes redundantes e partes que podem ser substituídas a quente. Projetado e construído para ser tão simples de operar como um computador padrão, com a vantagem de ser tolerante a falhas, proporciona o mais alto nível de disponibilidade. Seu diagnóstico identifica partes em falha, coloca-as fora de serviço e continua a processar as aplicações nos componentes redundantes.

 

Conclusão

A virtualização tem sido adotada crescentemente por indústrias, em ambientes de automação centralizados, através de áreas de Tecnologia da Informação (TI) que assumem a atribuição da manutenção dos servidores das máquinas virtuais.

O foco dessas indústrias é reduzir o número de servidores, garantir disponibilidade e retirar a manutenção desse hardware da responsabilidade das equipes de automação.

Nas aplicações críticas, os conceitos tradicionais de redundância têm sido somados à virtualização. É o caso, por exemplo, de arquiteturas com redundância hot-standby para supervisórios. Dessa forma, o usuário alia as facilidades da virtualização à alta disponibilidade de software, como por exemplo, garantindo continuidade operacional em situações como atualização de sistema operacional ou aplicação de services pack.

Leia mais sobre ftServer em www.stratus.com/Products/ftServerSystems ou envie email para Cesar.Dorini@stratus.com. Esclareça dúvidas sobre virtualização de softwares GE IP através do email suporte@aquarius.com.br.

Faça o download deste artigo em pdf.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Captcha *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>